quarta-feira, 18 de Março de 2009

História infantil





A verdade e a mentira

Dizem que há muito muito tempo atrás, Deus tinha acabado de criar o mundo e tinha criado os grandes montes, os grandes oceanos , os grandes desertos, e tinha também feito os animais, tinha feito o homem, tinha feito a mulher, e como dá muito trabalho fazer o homem e a mulher porque eles nunca estão satisfeitos com nada, deus subiu até ao alto do monte e sentou-se.

Sentou-se e deu um grande suspiro, e daquele suspiro saíram dois seres, do interior do criador, saíram dois seres mais, ninguém consegue adivinhar quais.

Eram eles a mentira e a verdade.

A mentira e a verdade eram duas mulheres.

A mentira era assim uma mulher um bocadinho de meter medo ao susto, mas a verdade, oh, a verdade era a mulher perfeita. Tinha um olhar translúcido, deixava transparecer toda a sua pureza, toda a sua sinceridade. A mentira não.
A mentira tudo o que ela era por fora era assim por dentro, muito retorcida, mal saio de dentro do criador começou a dizer mal de tudo. Elas eram tão diferentes tão opostas que quando resolveram conhecer o mundo seguiram caminhos opostos, e elas tinham que ter comida, tinham que ter dormida, então iam pedindo auxilio, às aldeias e ás cidades vizinhas. A mentira como era muito impostora e muito falsa aproximava-se de uma aldeia e punha um sorriso impostor na cara.

-- Ora muito bom dia, ah ah ah , olhe que aqui cheira muito bem, você deve ter cá um jeito para cozinha… E era assim que ela conhecia um caldinho.. Dormir num sítio…
A verdade coitadinha, como não conseguia dormir passava mal.

Um dia em que a vida corria melhor e melhor para a mentira, ia ela de uma aldeia para a outra ia ela pelo caminho fora quando começa a ouvir um pranto de desespero atrás de uns arbustos. Ela saiu do caminho e aproximou-se daqueles arbustos. Quando espreitou era a sua irmã baba e ranho por todo o lado, com os olhos inchadíssimos…

--- Ehh, oh verdade tu sai-me daí, tu nem digas que és minha irmã que eu tenho vergonha.
Ela saiu coitadinha estava muito mal e dizia que estava farta daquela vida….
-- O que é que eu devo fazer, ninguém gosta de mim…
Ela teve pena, compadeceu-se daquele sofrimento e de um saco que trazia consigo a mentira começou a tirar uns panos dourados, uns panos prateados umas coisas para fazer uns penteados esquisitos e transformou a verdade numa pessoa completamente diferente.
A verdade estava toda contente para experimentar o seu novo visual na nova cidade, mas antes de ela seguir caminho a mentira disse:
-- Alto! Não sigas caminho ainda. Tu agora quando fores para a próxima cidade verdade, tu vais dizer que o teu nome é história. Daqui em diante o teu nome vai ser sempre história, nunca digas que o teu nome é verdade, e desde então a verdade, vestida com panos da mentira seguiu o seu caminho e bateu á porta de todos os homens e todos os homens a deixaram entrar na sua casa e no seu coração e se nos olharmos bem para uma história nos sabemos que todas as histórias são grandes mentiras, mas no fundo bem lá no fundo há um bocadinho de verdade.

Fonte:
História contada por Tânia Silva á TSF como apresentação do que ira ser o Encontro de literatura infantil no Porto no dia 19 de Março, que vai juntar escritores, ilustradores, professores e contadores de histórias

1 comentário:

Henrik disse...

Excelente metáfora. Mas a verdade já teve muitos nomes, já se deu por muitas faces que se revelaram também elas falsas...as verdades históricas e religiosas e de certo modo as filosóficas também forma extremamente nefastas...esta coisa chamada "anthropos".